Pular para o conteúdo principal

Confirmado! A Alma Consciência existe em forma de ressonância quântica em microtúbulos do cérebro

 As biomoléculas exibem comportamento mecânico quântico!   Agora já sabe que a água é fundamental para a existência da alma !!  Uma equipe de pesquisa liderada por  Anirban Bandyopadhyay    um pesquisador proeminente da ciência quântica da biologia demonstrou vibrações mecânicas quânticas e alta temperatura em neurônios cerebrais  . A pesquisa realizada no Instituto Nacional de ciências de materiais em   Tsukuba, no Japão descobriu como a  oscilação  da alta frequência dos microtúbulos medida em um milhão  de ciclos  por  segundo neste caso 1 mega-hertz 1 MHz de oscilação de momentos do dipolo  elétrico de elétrons livres e conformacionais comutação. (Em física, o momento do dipolo elétrico é a medida da polaridade de um sistema de cargas elétricas.

O momento do dipolo elétrico para uma distribuição discreta de cargas pontuais é simplesmente a soma vetorial  (Cálculo vectorial) é uma área da matemática relacionada com a análise real multivariável de vectores em duas ou mais dimensões. Consiste num conjunto de fórmulas e técnicas para a resolução de problemas, muito útil na engenharia e na física.)dos produtos da carga pela posição vetorial de cada carga.. -comutação é a troca  neste caso de elétrons. E então isto nos microtubulos do cérebro causam interferência de ondas que podem dar origem à forma característica das oscilações elétricas do cérebro que estão correlacionadas com a consciência consciente, especificamente um novo tipo de sinal eletroencefalográfico (EEG) de gestalts (gestalt, é  algo que  para se compreender as partes, é preciso, antes, compreender o todo aninhado ) de 40 Hz / 4 Hz (gama e delta oscilações, respectivamente), denominadas "frequências de batida".
  
  As frequências de gama foram correlacionadas com a consciência, aparentemente através da ação da sincronização neuronal, e a estrutura de onda periódica das "freqüências de batimento" gama-delta são muito remanescentes das bandas de interferência alternada de quanta que ocorrem em experimentos de dupla fenda. (Mudam de posição conforme a gente observa )Assim, parece ligar a sincronização cerebral da consciência com os comportamentos mecânicos quânticos subjacentes dos microtúbulos. Com essas vibrações quânticas, os microtúbulos podem ficar enredados em redes neuronais através de canais de interconexão, chamados de junções de lacunas, que ligam fisicamente os neurônios. Esta é a teoria da consciência desenvolvida e adotada pelo biólogo quântico e anestesista  chefe da Universidade do Arizona, Stuart Hameroff e pelo professor emérito de matemática na Universidade de Oxford, o físico Roger Penrose. As últimas descobertas sustentam fortemente o seu modelo de mecânica baseada em quantum no cérebro que engendra consciência, que recebeu críticas apaixonadas dos acadêmicos desde a sua criação na década de 1980, como é típico de qualquer paradigma revolucionário.
  O papel da água no cérebro

Importante, Anirban Bandyopadhyay e sua equipe de pesquisa realizaram experiências que indicam a importância central da água nas operações de processamento de informações dentro do cérebro e do corpo. Em seu papel, o canal de água atômica controla propriedades notáveis ​​de um único microtúbulo do cérebro a equipe de pesquisa informou sobre experimentação envolvendo a água altamente ordenada dentro da cavidade cilíndrica do lúmen dos microtúbulos. ( Lumen    é um espaço interno ou cavidade. O interior de um vaso dentro do corpo, como o pequeno espaço central dentro de artérias ou veias, ou qualquer vaso relacionado onde circule o sangue. O espaço dentro do retículo endoplasmático, aparelho de Golgi ou microtúbulos.)  Eles descobriram que, quando a água foi evacuada da câmara central, o microtúbulo deixou de exibir forte correlação na montagem macromolecular de subunidades de tubulina. A tubulina é um dos vários membros de uma pequena família de proteínas globulares. Os membros mais usuais da família da tubulina são a α-tubulina e a β-tubulina, que são as proteínas que compõem os microtúbulos.)Isso sugere fortemente que a água está desempenhando um papel central na coordenação do comportamento das múltiplas subunidades do microtúbulo e, de fato, faz com que funcione como uma única molécula - um efeito altamente semelhante ao quântico. A água, como sugerido pelo físico Nassim Haramein e pela equipe de pesquisa da Fundação Ressonância, é parte integrante da coerência e orquestração de longo alcance dos processos de informação celular correlacionados com a consciência consciente  [1] . A Anestesia apaga a dor pois apaga a alma-consciência  . A informação sobre aquele local deixa de existir mesmo estando vivo pois ele fica SEM CONSCIÊNCIA (Igual a um computador. Inteligente porém sem consciência)Além disso, pesquisa realizada na Universidade da Pensilvânia, realizada por Roderick G. Eckenhoff, sugere que os compostos anestésicos funcionam em parte, interrompendo a função normal dos microtúbulos, ostensivamente, dispersando os dipolos elétricos necessários para a consciência. Foram os estudos anestesiológicos de Stuart Hameroff na década de 1970 que o levaram a sugerir um papel para os microtúbulos na geração de consciência consciente, após observar mudanças na dinâmica dos microtúbulos quando expostos a compostos anestésicos. Se existe  uma molécula que pára  a conscientização consciente, então, ver quais mudanças específicas ocorrem no ambiente celular quando expostas a tal composto seria uma pista importante para o que as estruturas estão envolvidas na geração de consciência. A ideia revolucionária de Hameroff era levar os mecanismos teóricos da consciência do nível celular-sináptico, à escala nanométrica das grandes redes biomoleculares,  UM  NOVO TIPO DE FÍSICA SURGE!  ALÉM DA FÍSICA! 
Uma das principais características da teoria de Hameroff e Penrose é chamada de Redução de Objetivo Orquestada (Orch-OR), na qual é teorizado que o vetor de estado (a função de onda que descreve uma partícula) de elétrons livres deslocalizados dentro da tubulina sofre uma redução independente de observadores   (um oposto versus colapso subjetivo da função de onda). À medida que o elétron exibe mais e mais atributos não-locais, o que é referido como uma superposição, a geometria do espaço-tempo subjacente bifurca e o grau de separação entre as "bolhas" do espaço-tempo - medidas nos comprimentos de Planck (   Em física, comprimento de Planck orresponde à distância que a luz percorre no vácuo durante um tempo de Planck O tempo de Plunk é  o intervalo de tempo a luz viaja, no vácuo, leva esse nome   em referência a Max Planck, o primeiro a propô-la.)- atinge uma distância crítica, momento em que  A geometria do espaço-tempo torna-se instável e colapsa.
 
 Este mecanismo é referido como o critério de Diósi-Penrose do colapso quântico induzido pela gravidade. Cada uma dessas bifurcações e colapsos representa uma computação quântica indeterminável e a coordenação de uma multiplicidade de tais eventos através do emaranhamento quântico (a parte orquestrada de OR) que permite cálculos quânticos em paralelo no cérebro. Como sugerem Hameroff e Penrose, isso é o que produz consciência consciente.Como uma orquestra gigantesca sendo regida   por uma geometria quântica do espaço-tempo subjacente invés de algo exitir e não existir (zeros e uns) como funcionam os computadores. Uma vez que, a redução do vetor estatal é devida inteiramente a este mecanismo estocástico, e, portanto, é determinada, atribuição de  uma característica de imprevisibilidade à consciência.A lei de escala de USN e Haramein

Assim como o critério de Diósi-Penrose do colapso quântico induzido pela gravidade é mediado por uma geometria quântica do espaço-tempo subjacente, Haramein et alii  descrevem uma geometria espacial subjacente no papel de uma Rede de Memória Espacial Unificada    . Em contraste com o mecanismo de Diósi-Penrose, a geometria quântica do espaço-tempo da rede de espaço  unificada não envolve superposições, mas em vez disso, um forte emaranhamento através da rede de minúsculos buracos de minhoca do espaço-Planckiano subjacente. Além dos microtúbulos, os autores destacam a importância de estruturas como a água e membranas atomicamente ordenadas do sistema celular. Os microtúbulos são verdadeiramente notáveis ​​estruturas macromoleculares do sistema biológico, por isso não é de admirar que vários pesquisadores tenham tido um grande interesse neles. No papel  da Unificação da Escala, Haramein e Rauscher, juntamente com o biólogo Michael Hyson, apresentam suas descobertas sobre uma lei de escala universal para assuntos organizados. Há uma série de sistemas organizados de matéria que obedecem à condição de Schwarzschild de um buraco negro, e quando são plotados em um gráfico de freqüência vs. radiFigura 4nós, uma linha de tendência emerge, em que as estruturas do tamanho cosmológico para o subatômico mostram uma proporção de escala definida. O que é notável é que os microtúbulos foram encontrados no ponto morto na linha de tendência, ocupando a equiparação entre o ultra-grande e o ultra-pequeno - o macrocosmos e o microcosmos !!

"É interessante que os microtúbulos de células eucarióticas, que tenham um comprimento típico de 2 X 10 -8 cm e uma freqüência vibratória estimada de 10 9 a 10 14 Hz, estejam bastante próximos da linha especificada pela lei de escala e intermediária entre as escalas estelares e atômicas "- Haramein et al , Scale Unification, 2008
 O coletor fractal

De acordo com esta descoberta, os microtúbulos podem ter uma relação harmônica com estruturas polarizáveis ​​do vácuo quântico (o que eles mostram está em uma proporção Ф (phi)! Um relacionamento de escala de tipo fractal). John Wheeler descreveu essas estruturas de vácuo flutuantes como mini buracos negros Planck. Da mesma forma, Haramein mostra como os osciladores de vácuo podem, de fato, ser buracos brancos / sistemas de buracos negros. Então, enquanto o critério de Diósi-Penrose utiliza uma geometria bifurcadora de "espaço de espaço", a solução de Haramein mostra como pode ser a ação de estruturas espaciais de espaço-espaço polar / buraco negro, cuja oscilação funciona como elemento computacional em analogia ao gravitacionalmente - colapso induzido do mecanismo Hameroff-Penrose.

"A universalidade desta lei de escala sugere um vácuo estruturado polarizável subjacente de pequenos buracos brancos / buracos negros". - ibidem Além disso, Haramein descreve uma estrutura múltipla fractal do espaço-tempo, longe da arquitetura do espaço-espaço liso e plano, prevista pelo Modelo Padrão. Isto é altamente pertinente à natureza da consciência, porque os sistemas fractores são produzidos por / e subjazem a dinâmica do caos. Uma das principais características dos sistemas caóticos é que eles podem ser extremamente sensíveis a pequenas mudanças mesmo, devido às interações não-lineares que resultam de operações de feedback e alta coerência global dentro do sistema. Como tal, existe uma natureza indeterminada para sistemas fracos / caóticos, como tentar prever o clima. Então, em contraste com o mecanismo de redução objetivo proposto por Hameroff e Penrose,  Entre uma pedra e um lugar difícil? Encontre o meio caminho  

À medida que mais e mais fenômenos mecânicos quânticos não-locais são descobertos dentro do sistema biológico, a teoria de Hameroff e Penrose (assim como outros pesquisadores que estão investigando essa nova fronteira da ciência como por exemplo Robert Lanza e seu Novo Biocentrismo ) estão acumulando evidências empíricas tangíveis, de modo que os modelos de consciência quântica estão em transição de lindas construções teóricas - a fatos demonstráveis. O que é notável sobre o modelo de consciência de Hameroff e Haramein é que eles acham o meio termo entre dois extremos: a perspectiva espiritual / metafísica de um lado, na qual a consciência é primária e realmente não pode ser explicada cientificamente; e, por outro lado, a perspectiva científica / materialista, em que a consciência é um estado ilusório epifenomenológico que emerge da complexidade dos neurônios e não faz parte da dinâmica do Universo em geral. Em vez disso, o que chamamos de consciência pode não só surgir a partir da dinâmica de eventos físicos discretos do múltiplo do espaço-espaço quântico, mas também desempenhar um papel intrínseco no ordenamento e na dinâmica do Universo. Hameroff acredita  como a Teoria Orch-Or que ao morrermos a consciência volta para algum lugar do Universo . Experiências  de Quase Morte seriam em tese a consciência migrando para outra Dimensão-Universo-História e volta para o corpo atual nessa história desse Universo que também é uma história. Uma história criada pela consciência-Leia mais a seguir no artigo do cientista Robert Lanza. E essa consciência cria tudo, inclusive, a ilusão  de estar dentro de um cérebro. Acreditamos que estamos dentro de algo duro. Mas esta crença também é uma ilusão da consciência que está além de tudo e criar perto médio e longe bem como o desaparecer é a forma de se pôr dentro de algo conhecido como tempo e espaço. Dessa forma,  a própria ilusão de estar dentro de algo cria a crença de espaço duro em que estamos. Pois se tudo funciona na base do perto médio longe e desaparecimento, igual ao dia que nasce, passa  , anoitece e acaba,  o acreditar nisso faz parte da mesma equação. Por isso ficamos com essa crença falsa. Consultoria : William Brown

 



Por Robert Lanza,Físico, Médico,
Cientista, teórico e autor, ‘Além do Biocentrismo’
O mundo já foi maravilhoso. Como um menino eu me lembro de montar as escadas que levavam à lendária Harvard Medical School. As grandes placas de granito foram usadas por gerações passadas de cientistas. Aqui, eu imaginava, as maiores mentes do planeta ocupavam-se em microscópios eletrônicos e ultra-centrífugas, trabalhando em laboratórios em experimentos secretos. Mas eu sou mais velho agora, e meus colegas me dizem que somos apenas a atividade do carbono e algumas proteínas; Nós vivemos um pouco e morremos. E o universo? Também não tem significado.

Mas uma série de novas experiências sugerem que isso pode estar  tudo errado, e que parte de nós existe fora do mundo físico. As implicações dessas experiências foram minimizadas porque, até recentemente, o comportamento quântico estava limitado ao mundo microscópico. No entanto, essa visão de “dois mundos” (isto é, um conjunto de leis físicas para pequenos objetos e outro conjunto de leis para o resto do universo, incluindo nós) não tem base na razão e, mais importante, está sendo desafiada Em laboratórios ao redor do mundo.

Estamos presos em um paradigma desatualizado. Mais algumas equações, nos dizem, e saberemos tudo - qualquer dia agora. Não há mais aventura, nem jardins perdidos em terras distantes. Mas todos nós intuitivamente sabemos que há mais para a existência do que a nossa concessão de livros de ciências. É o mesmo anseio nostálgico que dá à religião seu poder persistente sobre a humanidade.

Foi essa busca que me atraiu para a ciência. Minha vida tem sido uma viagem que começou como um menino quando eu me convenci a fazer uma viagem (de ônibus ) para Harvard. Eu esperava que os homens de ciência me recebessem gentilmente, Mas quando eu cheguei lá o guarda não me deixava entrar. Eu me sentia como Dorothy no Mágico de Oz, quando o guarda do palácio disse “vá embora”. Eu andei em torno do edifício e  fiquei perto de algumas lixeiras     tentando parecer discreto. Um rapaz calvo e de baixa estatura apareceu caminhando com um monte de chaves - o zelador, eu pensei. Depois que eu entrei, ele me perguntou se ele poderia ajudar. “Não”, eu disse “estou procurando um médico de Harvard, estou tentando induzir a síntese de melanina em galinhas albinas”. Minhas palavras se encontraram com um olhar de surpresa. Vendo o impacto que eles estavam tendo, continuei, embora eu estivesse certo de que ele não sabia o que era o DNA. Quando chegamos a falar, eu disse a ele que eu trabalhava no refeitório da escola, e era bom amigo do zelador da rua. Ele perguntou se meu pai era médico. “Não,” eu ri. “Ele é um jogador profissional, ele joga poker.”

Eu não sabia que ele era Stephen Kuffler, o mundialmente famoso neurobiólogo que havia sido nomeado para o Prêmio Nobel. Naquela época, no entanto, eu me sentia como um professor ensinando um aluno. Eu lhe falei sobre o experimento que eu tinha realizado no meu porão - como eu alterei a composição genética de um frango branco para torná-lo preto. “Seus pais devem estar orgulhosos”, disse ele. “Não, eles não se importam com o que eu faço”, eu respondi. “Eles pensam que eu estou na minha casa na árvore.” Ele insistiu em me apresentar a um “médico de Harvard”. Eu hesitei - eu não queria que ele se metesse em encrenca. “Não se preocupe comigo,” ele disse com um pequeno sorriso.

Ele me levou para uma sala cheia de equipamentos sofisticados. Um “médico” olhando através de um instrumento estava prestes a inserir um eletrodo no nervo de uma lagarta [o “médico”, Josh Sanes, era um estudante de pós-graduação, agora Diretor do Centro de Harvard para a Ciência do Cérebro]. - Vou parar mais tarde - disse meu novo amigo. A partir desse momento tudo foi um sonho tornado realidade. O médico e eu conversamos durante toda a tarde. E então eu olhei para o relógio. “Ah não!” Eu disse: “Eu tenho que ir!” Eu corri para casa e fui direto para minha casa na árvore. Naquela noite, o telefonema de minha mãe penetrou nos bosques: “Rob - Vamos! É Hora de jantar!”

Ninguém tinha idéia, naquela noite - inclusive eu - de que eu conhecera um dos maiores cientistas do mundo. Kuffler é freqüentemente referido como o “Pai da Neurociência Moderna”. Como estudante de medicina eu usei o seu From Neurons to Brain como um livro de texto. No entanto, não foi o que eu aprendi com seu livro que foi mais relevante para a compreensão do mundo. Era surpreendente perceber, depois de estudar a neurobiologia, que objetos, nossos próprios corpos, não são mais que representações em nossa mente - que não podemos ver nada através do osso que envolve o cérebro.

Assumimos que há um universo “lá fora” separado do que somos e que não desempenhamos nenhum papel na sua aparência. No entanto, desde a década de 1920, as experiências mostraram exatamente o oposto; Os resultados dependem se alguém está observando. Isto é mais vividamente ilustrado pela famosa experiência de dois buracos. Quando você vê uma partícula atravessar os buracos, ela se comporta como uma bala, passando por um buraco ou outro. Mas se ninguém observa a partícula, exibe o comportamento de uma onda e pode passar por ambos os buracos ao mesmo tempo.

Esta e outras experiências nos dizem que as partículas não observadas existem apenas como “ondas de probabilidade” como Max Born demonstrou em 1926. São previsões estatísticas - nada mais do que um resultado provável. Até serem observadas, elas não têm existência real; Só quando a mente coloca o andaime em seu lugar pode ser pensado como tendo duração ou uma posição no espaço. As experiências tornam cada vez mais claro que mesmo o mero conhecimento na mente do experimentador é suficiente para converter a possibilidade em realidade.

Importante, este comportamento não se limita ao mundo microscópico. Novos experimentos realizados com moléculas enormes chamadas “Buckyballs” mostram que a realidade quântica se estende ao mundo macroscópico em que vivemos. Em 2005, os cristais KHC03 exibiram sulcos de emaranhamento de meia polegada de altura, comportamento quântico cutucando em níveis diários de discernimento.

O biocentrismo nos diz que a realidade é um processo que envolve nossa consciência, e que o espaço e o tempo não são os objetos duros que pensamos. Experiências recentes mostram que partículas separadas podem influenciar-se instantaneamente em grandes distâncias, como se fossem dotadas de inteligência. Elas estão intimamente ligadas de uma maneira sugerindo que não há espaço ou tempo que influenciam o seu comportamento. Em 1997, Nicolas Gisin enviou pares de partículas que se aproximavam das fibras ópticas até que se separassem á sete milhas. Mas, independentemente da ação tomada, seu gêmeo realizou a ação complementar instantaneamente. Desde então, outros pesquisadores duplicaram o trabalho de Gisin.

Todos estes experimentos fazem o sentido perfeito de uma perspectiva biocentrica. Tudo que percebemos é um turbilhão de informações em nossa cabeça. O tempo pode ser definido como o somatório dos estados espaciais que ocorrem dentro da mente. Mas isso não significa que exista uma matriz invisível na qual as mudanças ocorrem. Observamos nossos entes queridos envelhecer e morrer e assumir que uma entidade externa chamada tempo é responsável pelo crime. Há uma intangibilidade peculiar ao espaço, também. Como o tempo, é apenas uma ferramenta do nosso entendimento.

Estudos futuros podem confirmar essa visão biocêntrica do universo. Apenas alguns meses atrás, Gisin anunciou uma nova torção em sua experiência, e que os resultados poderiam ser visíveis a olho nu. Outra nova experiência proposta, a superposição escalonada, pode confirmar que os efeitos quânticos se aplicam a objetos de escala humana.

Parece ontem que eu estava de pé junto à lixeira de Harvard; E que um dos cientistas mais brilhantes da história me deixou entrar no mundo da ciência. No final dos anos 70, as apostas eram de que o próximo Prêmio Nobel iria para Kuffler, Wiesel e Hubel. Mas os prêmios Nobel não são concedidos póstumamente, e Kuffler morreu enquanto trabalhava em sua mesa em 11 de outubro de 1980. (No ano seguinte, Hubel e Wiesel ganharam o Prêmio Nobel.) Algum dia nós vamos perceber que as perguntas com que ele se preocupou - o cérebro e como percebemos o mundo - são um mistério a par com a compreensão do universo e da origem da vida.

Mas a solução para este mistério está ao nosso alcance, uma solução sugerida pela freqüência com que o velho paradigma quebra. Este é o problema subjacente: ignoramos um componente crítico do universo, o desviamos do caminho porque não sabíamos o que fazer com ele. Este componente é a consciência - nós, o grande observador.

No livro 'O Biocentrismo' Robert Lanza  expõe a sua brilhante  Teoria de Tudo em que mostra que a vida e a Consciência é que dão Origem a Tudo.   http://www.huffingtonpost.com/news/biocentrism/